21 de agosto de 2007

Colaboradores da Santa Casa dão o primeiro passo para implantar gestão da qualidade

Mais de cem lideranças da Santa Casa de Misericórdia de Maceió (SCMM), incluindo os co-gestores da instituição, pararam suas atividades esta semana para conhecerem o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) que será adotado pela Santa Casa já a partir deste ano.
O Curso de Auditoria Interna, ministrado sexta-feira e sábado passados, com carga horária de 16 horas, é o primeiro passo dado pelos colaboradores da Santa Casa para implantação de uma nova mentalidade voltada para a qualidade.
“Se todos aderirem a esta mudança de comportamento conseguiremos a acreditação na ONA (Organização Nacional de Acreditação)”, disse o provedor Humberto Gomes de Melo. A ONA está para a saúde o que a ISO está para os demais setores da economia, ou seja, é um referencial de qualidade cujo certificado de excelência é perseguido pelas empresas que se preocupam com seu cliente.
Presente na palestra para os co-gestores, na quinta-feira, e no curso ministrado aos líderes, o provedor Humberto Gomes de Melo agradeceu a presença e disse esperar um particular empenho de todos na implantação do Sistema de Gestão da Qualidade.
A diretora do Instituto Qualisa de Gestão (IQG), Mara Machado, responsável pela implantação do SGQ na Santa Casa, ministrou o Curso de Auditoria Interna, onde foi apresentada a nova sistemática de trabalho que, em breve, será adotada em todos os setores ligados à prestação assistencial de saúde.
Os setores ligados direta ou indiretamente ao serviço de saúde seguirão protocolos (rotinas padrão de trabalho) e buscarão alcançar metas (numéricas) previamente estabelecidas. Os demais setores – gerenciais e de apoio – ligados à área administrativa terão diretrizes gerais a serem alcançadas.
Mara Machado citou o exemplo do paciente que recorre à Emergência 24 Horas. “Quem e quais setores se envolvem no atendimento ao paciente, do momento em que ele entra na Emergência até sua saída? O que faremos é reunir os profissionais envolvidos neste processo, discutir uma rotina padrão e estabelecer metas como, por exemplo, o tempo de espera para a emissão do diagnóstico. É este tempo que será avaliado pela auditoria interna. O conjunto deste e de outros indicadores serão avaliados pela auditoria externa, que irá homologar a acreditação (certificado) da ONA ou sugerir mudanças para uma próxima auditoria”, explicou Mara.
“O hospital precisa prestar o mesmo serviço, com o mesmo nível de excelência em todos os dias da semana”, acrescentou Mara Machado, reforçando a necessidade dos protocolos. A consultora, porém, frisa que mais importante que os protocolos é a mudança comportamental dos colaboradores e dos líderes.
Para o provedor Humberto Gomes de Melo implantar um Sistema de Gestão da Qualidade é como uma corrida: “muitos acompanham o ritmo desde o início, uma parcela demora a acompanhar mais chega ao final e alguns infelizmente deixam a corrida”, alertou.
A auditoria interna – realizada por colaboradores da própria Santa Casa – terá início assim que forem definidos os primeiros protocolos. De início, serão incluídos setores como Emergência, Centro Cirúrgico e UTI.

21 de agosto de 2007