2 de abril de 2008

Humor e a destinação de resíduos são destaques na abertura da XV Sipat

Transformar 100kg de resíduos de serviços de saúde (RSS) em apenas 3kg de cinzas inertes e inofensivas ao meio ambiente. Esse é o destino final do lixo hospitalar da Santa Casa de Maceió, que vem sendo incinerado nos fornos da única empresa credenciada em Alagoas para este serviço. “Conseguimos reduzir em até 5% o volume dos RSS e sem emitir gases nocivos ao meio ambente”, explicou o diretor da Serquip, Luis Felipe de Almeida, na palestra de abertura da XV Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho.
Luis Felipe detalhou o processo de descarte do lixo originado no complexo hospitalar da Santa Casa de Maceió, começando pela coleta das bambonas, passando pelo transporte, pesagem, ensaque do material (utilizando sacos de alta densidade) e chegando ao ingresso no forno, onde se inicia o processo de incineração. “Temos aí outro processo onde, numa primeira etapa, ocorre a queima do resíduo a temperatura na casa dos 850 ºC. No segundo forno, ocorre a queima dos gases oriundos da incineração, desta vez, a 1200 ºC. Ao fim do processo, num espaço de tempo de apenas dois segundos, a temperatura cai para 70 ºC, destruindo efetivamente as perigosas dioxinas que afetam o meio ambiente”, detalhou o técnico.
Após a seriedade da palestra técnica, a programação da XV Sipat abriu espaço para o humor escrachado do comediante Marlon Rossy. No que foi considerado o ponto alto da tarde, o artista provou porque é atualmente um dos maiores nomes da paródia e do humor no Nordeste. Lançando mão de imitações impagáveis e de sátiras, Marlon conseguiu transmitir diversas mensagens de fundo que visam à conscientização dos colaboradores sobre atitudes que devem ser adotadas dentro do ambiente de trabalho na prevenção de acidentes.
Na opinião de Ana Maria Pereira, presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), a interação com o público, a linguagem coloquial e o próprio humor do comediante garantiram, de forma descontraída, que a mensagem da Sipat fosse absorvida por todos. Na abertura do evento, o provedor Humberto Gomes de Melo enfatizou a importância da CIPA na rotina diária da Santa Casa, ressaltando o trabalho desenvolvido pela equipe e pela presidente da comissão ao longo dos anos e naquele evento, que resultou na presença de mais de 140 participantes no primeiro dia da Sipat.
O diretor administrativo-financeiro da Santa Casa, Paulo de Lira, recordou a primeira Sipat, realizada na Santa Casa em 1993 e sua evolução ao longo dos anos. “Além da organização esmerada do evento, penso que foi bastante oportuna a escolha do meio ambiente e da destinação dos resíduos como temas desta Sipat.”, disse o executivo, referindo-se à decoração do auditório e da recepção, onde se destacaram artigos decorativos confeccionados a partir de garrafas peti e de plástico, arames, latas, dentre outros artigos recicláveis. O gerente de Gestão com Pessoas, Sílvio Melo, reforçou que a responsabilidade sócio-ambiental discutida na Sipat está em consonância com o planejamento estratégico da Santa Casa de Maceió.

2 de abril de 2008