6 de janeiro de 2018

Há chance de controle para a doença de Alzheimer?

Geriatra Helen Arruda, da Santa Casa de Maceió

Existe a crença de que o avanço da idade é sinônimo de perda de memória e de que todo idoso terá em algum momentos esquecimentos, confusão mental entre outros sintomas que a população rotula de esclerose. No entanto, nem sempre tais problemas fazem parte do processo de envelhecimento.

Pensamentos confusos e desorientação em relação ao tempo, por exemplo, podem ser os primeiros sinais de outro problema, a doença de Alzheimer, patologia que destrói os neurônios de forma progressiva.

O diagnóstico precoce pode aumentar as chances do controle da doença, possibilitando ao paciente e aos familiares mais qualidade de vida e menos sofrimento, destaca a geriatra Helen Arruda, da unidade de geriatria da Santa Casa de Maceió.

Já o gerontólogo Paulo Renato Canineu, doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, alerta para o principal problema que cerca a doença: a dificuldade em identificá-la precocemente, uma vez que os sintomas iniciais são vistos como “comuns da idade”.

“O esquecimento, por exemplo, pode ocorrer em qualquer idade. O problema é quando isso interfere no cotidiano da pessoa”, diz Canineu. Ele estima que cerca de 800 mil a 1,2 milhão de brasileiros tenham algum tipo de demência e que entre 40% e 70% apresentem Alzheimer. Confira, a seguir, a entrevista com Paulo Canineu.

6 de janeiro de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *