24 de janeiro de 2019

Confira algumas das tecnologias utilizadas pelo grupo de anestesiologistas da Santa Casa de Maceió

Anestesiologista manuseia via aérea de paciente com videolaringoscópio

Quando se fala no médico anestesista (ou anestesiologista), o que vem a sua mente? Se você acha que ele é o responsável por aplicar e controlar a atuação de sedativos analgésicos antes, durante e após a cirurgia, acertou.

Mas essa atribuição é apenas uma entre tantas que são exigidas de profissionais que atuam em hospitais de alta complexidade como a Santa Casa de Maceió.

Outra atuação importante diz respeito ao uso de tecnologias que ajudam a realizar analgesias específicas.

Uma delas é a ultrassonografia para bloqueios regionais (localizados), muito utilizados na área ortopédica principalmente no pós-operatório em cirurgias de ombro, de joelho, mão etc.

“Esta tecnologia e técnica são importantes tanto do ponto de vista eficiência da técnica anestésica como da segurança ao paciente”, comentou o anestesiologista Joaquim Costa.

O ultrassom também é utilizado para acessos venosos profundos e monitorização de pacientes da alta complexidade, como os de cirurgias torácicas, oncológicas, neurológicas etc.

Os anestesiologistas também utilizam o videolaringoscópio no manuseio da via aérea difícil. De acordo com a Sociedade Americana de Anestesiologistas, entre as principais causas de morbidade relacionada a anestesia está justamente na dificuldade em se garantir uma via aérea patente.

Os videolaringoscópios (conjunto de cabo e lamina com sistema de captação da imagem) permitem visualizar a hipofaringe e da laringe, de forma indireta, visando possibilitar a correta intubação orotraqueal e sucesso na ventilação do pulmão.

24 de janeiro de 2019