2 de julho de 2019

Santa Casa realiza 1º implante de neuromodulação sacral em AL

Dispositivo subcutâneo foi implantado em mulher de 61 anos em procedimento minimamente invasivo com anestesia local com sedação

Equipe realizou procedimento na Santa Casa de Maceió

Centro cirúrgico da Santa Casa de Maceió: tecnologia e equipe aptas a realizar a intervenção

Coloproctologistas Ramon Mendes e Aline Apel

A Santa Casa de Maceió foi palco esta semana da primeira neuromodulação sacral (NS) realizada em Alagoas. Mas, o que é este procedimento minimamente invasivo, que beneficiou uma mulher de 61 anos com o incômodo diagnóstico de incontinência fecal?

A coloproctologista Aline Apel explica que se trata da implantação de um dispositivo subcutâneo (semelhante ao marca-passo) que libera leves impulsos elétricos no nervo sacral. Ele é o responsável por intermediar os sinais vindos do cérebro para o intestino e os músculos relacionados à função anal.

Uma das vantagens é que o paciente pode controlar o dispositivo, que pode ser até mesmo desligado. Outro ponto a favor é que o procedimento é reversível, no caso da resposta não ser adequada, já que o equipamento pode ser removido por meio de outra intervenção minimamente invasiva.

Outra vantagem é que o procedimento é realizado por meio de anestesia local com sedação, envolvendo menos riscos para o paciente.

Oriundo de Salvador (BA), o médico Ramon Mendes esteve em Maceió para compartilhar sua experiência e realizar o procedimento junto com a coloproctologista Aline Apel.

A estimulação do nervo sacral é usada no tratamento de pacientes com incontinência fecal ou urinária, que se sentem constrangidos com a liberação involuntária de gases e de fezes líquidas ou sólidas.

“É importante deixar claro que o procedimento não deve ser considerado a primeira opção de tratamento, já que existem tratamentos clínicos, como reeducação alimentar e exercícios pélvicos e fisioterápicos, que podem devolver qualidade de vida ao paciente”, diz Apel.

Dependendo do grau de gravidade dos sintomas, existem outras opções de tratamento, desde mudanças simples na dieta e no estilo de vida, passando pelo uso de medicamentos ou injeções e até as opções mais complexas e avançadas como a neuromodulação sacral.

2 de julho de 2019