12 de agosto de 2019

Santa Casa de Maceió oferece mais conforto e precisão em diagnósticos

Além de nova estrutura física, unidade conta com equipamento de ressonância magnética de última geração

A Unidade de Diagnósticos Santa Casa de Maceió passou por recentes melhorias em sua estrutura física, como também atualizou o equipamento de ressonância magnética com as melhores técnicas para a realização de exames. O objetivo é melhor atender os clientes que necessitam de exames por imagem ofertando mais conforto e precisão.

Mudanças estruturais reforçam a sensação de acolhimento ao paciente atendido na Unidade Diagnósticos Foto: Sílvio Romero

As novas instalações contam com uma estrutura assistencial diferenciada, como leitos de recuperação anestésica e pós-biópsia. “Com as modificações, os pacientes vão ter uma sensação de acolhimento, de compromisso com o diagnóstico. Ele já vem fragilizado e tomamos o cuidado de deixar o ambiente aprazível para reduzir a ansiedade”, destacou o coordenador do Serviço de Radiologia, Rodrigo Benning Pinheiro.

As mudanças na estrutura também possibilitaram a ampliação do horário de atendimento. O serviço está disponível das 7h às 22h de segunda-feira a sexta-feira, e das 7h às 18h aos sábados e domingos.

A equipe de radiologia da Unidade Diagnósticos Santa Casa de Maceió é composta pelos radiologistas Juliana Simon Petruceli, Cícera Fabrícia Simplício Gonçalves, Milena Loureiro de Melo, Leandro Soares Lamenha, Luciana Karla Lira França, Marina Feitosa Soares, João Alfredo Malta Lessa de Azevedo e Érica Oliveira Alves Cardoso.

Os radiologistas Rodrigo Pinheiro, Érica Cardoso, Milena Melo, Juliana Petruceli, Mariana Soares, Cícera Gonçalves e João Alfredo Foto: Sílvio Romero

“No serviço de diagnóstico do hospital, temos especialistas em neuroradiologia, em medicina interna, mama e musculoesquelético, o que aumenta a precisão do diagnóstico. É uma equipe diferenciada, pois todos são credenciados com o título de especialista pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e têm experiência em outros estados”, destacou o radiologista Rodrigo Benning Pinheiro.

Equipamento de última geração ajuda a definir a melhor conduta com paciente

Segundo o coordenador do Serviço de Radiologia, a tecnologia atualizada na Santa Casa pode ajudar ainda mais o médico assistente a definir a melhor conduta para o paciente. “O fato de realizar um exame desse porte, dentro de um ambiente hospitalar com selo de Acreditação, e com todos os padrões de qualidade que a Santa Casa de Maceió tem é importante para a segurança do paciente na realização do exame. Também temos uma equipe de enfermagem especializada na assistência da realização dos exames por imagem. Na Unidade de Diagnósticos Santa Casa, realizamos o atendimento de pacientes externos (ambulatorial) e internos”, disse.

Com a atualização, o portfólio de exames por imagem foi aumentado, além de diminuir o tempo do procedimento, deixando o paciente mais confortável. “Para os pacientes, a atualização e a reforma são maravilhosas. Além de aumentar a precisão dos exames, pudemos ampliar o horário de funcionamento não apenas ressonância, mas também da tomografia”, disse o coordenador do Serviço de Radiologia, Rodrigo Benning Pinheiro.

Exame é indicado quando há suspeita de tumores e lesões

A ressonância magnética é um método de diagnóstico que não utiliza radiação e permite retratar imagens de alta definição dos órgãos do corpo. A técnica permite determinar propriedades de uma substância através do correlacionamento da energia gerada pelo campo magnético e a irradiação de ondas de rádio.

Sem radiação ionizante, diferente do raio x e da tomografia, não há contraindicação relacionada à quantidade de ressonâncias magnéticas que um paciente pode fazer. “A ressonância magnética é usada para a pesquisa e análise de doenças neurológicas, ortopédicas, abdominais, cervicais e cardíacas. Ela costuma ser pedida somente quando há alguma suspeita – e não como parte de um preventivo”, ressaltou Rodrigo Benning Pinheiro.

Por produzir um campo magnético muito forte, é preciso se certificar que nenhum objeto metálico esteja por perto durante o procedimento. Pacientes com marcapassos, cateteres e outros dispositivos implantáveis não devem fazer o exame. Até mesmo tatuagens devem ser avaliadas antes que o paciente seja submetido à ressonância, porque algumas tintas contêm ferro.

12 de agosto de 2019