5 de novembro de 2019

Grupo do Quadril da Santa Casa de Maceió realizou mais de 1500 cirurgias

Com suporte multidisciplinar, 60% dos procedimentos é realizado em pacientes do SUS

Com sete subespecialidades e atuando desde 2009, o Serviço de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de Misericórdia de Maceió se tornou referência dentre o fora do estado. Em uma década, a residência médica foi implantada e os grupos foram divididos por especialidades. Nesse período, o grupo do Quadril já realizou cerca de 1500 procedimentos cirúrgicos, 60% deles em paciente do SUS.

Hilton Barros e Bruno Liberato formam a equipe do grupo de Quadril do Serviço de Ortopedia da Santa Casa de Maceió

Ao longo dos anos, o Serviço foi sendo estruturado e hoje conta com um ambulatório que funciona com quase todas as especialidades e subespecialidades da área. O grupo de Quadril é composto pelos especialistas Hilton Barros e Bruno Liberato, ambos formados no Serviço de Ortopedia da Universidade de São Paulo (USP). Eles realizam uma média de 20 cirurgias por mês, incluindo as próteses/artroplastias de quadril, revisões de prótese de quadril e as fraturas do fêmur, bastante comuns em idosos.

“Um dos grandes ganhos que tivemos no Serviço de Ortopedia do hospital, dentro do grupo de Quadril, foi uma atuação multidisciplinar em conjunto com a Geriatria, além das equipes de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia treinadas, já que muitos dos nossos pacientes são idosos”, disse o cirurgião de quadril, Hilton Barros.

Por ser um grupo de subespecialidades, o serviço está habilitado a fazer cirurgias mais complexas dentro dessa área. “Somos o primeiro hospital que dividiu o Serviço como um grupo de especialidades e fizemos as primeiras hastes intramedulares para fêmur proximal, o que acontece desde 2010. Também realizamos as primeiras revisões com metal trabecular e procedimentos de resurfacing, um tipo especial de artroplastia total de quadril em que apenas parte da cabeça femoral é removida, uma alternativa para alguns pacientes com artrose no quadril”, explicou o especialista.

Devido ao envelhecimento da população, a demanda de pacientes tem aumentado e a Santa Casa de Maceió vem ampliando o Serviço. “Como tratamos a população idosa, existem variáveis que podem impactar o resultado. Todos os procedimentos cirúrgicos são feitos visando que o paciente retome as funções prévias a lesão. Costumamos liberar os pacientes para sentar e andar o mais rápido possível, mas, as diversas doenças que o idoso pode ter em conjunto, acaba sendo um desafio no tratamento, por isso temos um suporte muito forte de UTI e Geriatria, o que nos faz encarar o desafio com segurança”, disse o cirurgião Hilton Barros.

Com a modernização dos equipamentos e das técnicas, o grupo do Quadril tem obtido grandes resultados clínicos. Publicações científicas, como as de conclusão de residência com temas relacionados à cirurgia de quadril, também estão em constante produção.

“Tudo o que fazemos segue os protocolos atuais, sempre respeitando a idade e o grau de atividade do paciente, e utilizando as técnicas mais modernas para otimizar o custo-benefício. Temos suporte multidisciplinar, que é muito importante”, disse o cirurgião Bruno Liberato.

Pacientes são acompanhados em todas as etapas do atendimento

Haste para fêmur proximal – Imagem do acompanhamento em tempo real de cirurgia para correção de fratura em idoso por método minimamente invasivo

O Serviço de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de Misericórdia de Maceió possui dois grupos de pacientes: de idosos com fraturas, doenças degenerativas no quadril ou falhas de próteses; e de pacientes jovens, que muitas vezes tem fraturas até mais graves e desafiadoras, ou com doenças degenerativas por alterações genéticas desde a infância.

Na urgência da Santa Casa de Maceió, o paciente que chega com uma fratura no quadril tem uma equipe de retaguarda de especialistas que fará seu acompanhamento. O paciente, então, é avaliado e operado o mais rápido possível, dentro das suas condições, de preferência nas primeiras 48 horas. Também fará uma avaliação anestésica, será acompanhado pela Geriatria, Enfermagem especializada e Fisioterapia, além de contar com o suporte de UTI.

“Esse é o tipo de cirurgia que precisa de um hospital bem estruturado como a Santa Casa de Maceió, porque pode não precisar só dessas avaliações, mas de outras especialidades, equipamentos e exames de diagnóstico para acompanhar outras doenças que estão associadas. O hospital desenvolveu um Programa de Cirurgia Segura, o que para os cirurgiões é fundamental na prevenção de complicações, como falhas nos materiais e infecções”, destacou Hilton Barros que atua na Santa Casa de Maceió desde que era acadêmico da UTI.

Segundo o cirurgião Bruno Liberato, a cirurgia, por si só, é apaixonante. “Gosto muito do resultado que elas possibilitam. A artroplastia de quadril, por exemplo, é uma das mais realizadas no mundo e leva qualidade de vida para o paciente, que sai com mais de 95% de satisfação, pois consegue retornar às suas atividades. Sempre buscando uma atuação conjunta, reabilitação e alta precoce, buscando sempre o melhor resultado possível”, disse.

5 de novembro de 2019