6 de julho de 2020

FASE LARANJA | Especialista alerta para os cuidados na flexibilização do distanciamento social

No mês de junho, número de internações por covid-19 caiu na Santa Casa de Maceió; 175 pacientes receberam alta recuperada no mesmo período

Maceió tem registrado uma queda no número de internações e de busca por atendimento em razão do novo coronavírus (Covid-19). A Santa Casa de Maceió, que chegou a registrar 147 internações por causa da doença, no dia 5 de julho, tinha 88 em suas unidades de internação, sendo 33 delas nas UTIs do hospital. Desde fevereiro, quando iniciou o atendimento de pacientes infectados, a instituição havia atendido 1409 casos confirmados, com alta recuperada dada para 369 pacientes que precisaram de internação; 175 dessas altas aconteceram apenas no mês passado.

Capital alagoana entrou na Fase Laranja (risco moderado alto) na pandemia da covid-19 Foto: Aílton Cruz/Cortesia

Seguindo os decretos estadual e municipal, a capital alagoana entrou na Fase Laranja (risco moderado alto) na pandemia da covid-19 e iniciou medidas menos rígidas de distanciamento social e da abertura gradativa de serviços não essenciais. Mas quais os cuidados que a população precisa ter em casa e fora dela para manter a flexibilização e afastar o perigo da contaminação?

Pneumologista Fátima Alécio reforça que as pessoas só devem sair em caso de extrema necessidade

A pneumologista Fátima Alécio, da Santa Casa de Misericórdia de Maceió, alerta que os cuidados devem continuar e até serem redobrados quando for necessário sair de casa. “Entendemos que a retomada das atividades normais é necessária, porém temos que ter muito cuidado. Algumas cidades brasileiras que abriram suas economias precisaram recuar. Em Alagoas, a curva ainda está muito alta, com um grande número de casos de contaminação e o aumento da ocupação em UTIs. Por isso é importante que as pessoas continuem com a consciência de que o isolamento social continua, só se deve sair em momento de extrema necessidade e sempre utilizar todas as regras de higiene e de distanciamento”, disse a especialista.

Quem precisa ir ao mercado, por exemplo, deve preparar uma lista de compras para duas semanas para reduzir o número de idas ao local. Chegando ao mercado, higienizar com álcool gel o apoio de mão do carrinho e não tocar olhos, nariz e boca. Além disso, outras recomendações básicas devem ser seguidas, como manter a distância mínima de um metro e meio das pessoas, evitar aglomerações e usar máscaras. Ao chegar em casa, o calçado deve ficar do lado de fora de casa e higienizar a roupa que usou na rua. Lavar bem as mãos e todas as áreas expostas, como braços e rosto, também é fundamental.

Regras precisam ser seguidas para sucesso da reabertura das atividades

Para a reabertura das atividades não essenciais, o Município vai manter barreiras sanitárias móveis em todas as entradas do Centro da cidade com aferição da temperatura corporal e fiscalização da utilização obrigatória de máscaras. No calçadão do comércio, por exemplo, lojas até 400 metros quadrados estão autorizadas a funcionar seguindo as regras de higienização e distanciamento social.

Praças e a orla também foram reabertas para a população com a permissão da prática de atividades físicas nestes espaços – corrida, caminhada, ciclismo – respeitando a distância de 10 metros no mesmo fluxo e 2 metros no fluxo contrário. Já é possível o acesso à praia e banho de mar (o uso de máscara é obrigatório antes e depois), porém, a utilização de equipamentos e mobiliários de uso coletivo (mobiliários urbanos esportivos, parquinhos infantis, academias), o uso de mesas, cadeiras, bancos, caixas térmicas e guarda-sóis, consumo de bebidas alcoólicas e comércio de qualquer ordem segue proibidos. O estacionamento de veículos nos espaços públicos da orla será liberado, mas em vagas intercaladas.

Com a flexibilização das atividades, os grupos de risco deve continuar atento. “Não temos um nenhum número confortável para que essas pessoas possam voltar às suas atividades. Todo cuidado é pouco. Também alertamos que todas as pessoas que apresentarem sintomas leves precisam procurar ajuda médica o mais rápido possível. Hoje isso é mandatório para que o médico possa acompanhar e ver se há sinais de gravidade. Inicialmente, a recomendação é era ficar em casa; hoje o conhecimento da pandemia nos mostra que todo paciente com sintoma deve procurar ajuda médica”, disse Fátima Alécio.

Enquanto perdurar a Fase Laranja (risco moderado alto) do Plano de Distanciamento Social Controlado, também foi autorizada a reabertura das seguintes atividades: salões de beleza e barbearias, com o quadro de funcionários reduzido em 50% (cinquenta por cento), e dos templos, igrejas e demais instituições religiosas, funcionando com 30% de sua capacidade.

As máscaras de proteção devem ser utilizadas em locais públicos e em locais de uso coletivo, ainda que privados. “É preciso que o cidadão seja consciente e não aglomere ou vá em grupo às praias, por exemplo. A doença parece que está controlada em Maceió, pois diminuímos o número de sepultamentos nos cemitérios públicos e a busca por atendimentos em postos de saúde também caiu, mas estamos em uma pandemia e não devemos brincar com o novo coronavírus. Caso as determinações sejam descumpridas, teremos que fechar tudo novamente”, enfatizou o prefeito de Maceió, Rui Palmeira.

 

6 de julho de 2020