2 de setembro de 2021

Especialista fala sobre as principais queixas intestinais em idosos

Constipação, dor ao evacuar, sangramento no anus e dor abdominal então entre as queixas mais comuns nos idosos. A edição desta semana do Grupo de Envelhecimento Ativo da Santa Casa de Maceió explica o funcionamento do intestino, os principais problemas que o atinge, e os tratamentos indicados. Assista aqui.

Coloproctologista Aline Apel na gravação da aula de Envelhecimento Ativo

“Sempre que houver qualquer tipo de mudança no hábito intestinal é preciso procurar um especialista para tratar ou mesmo prevenir algum problema no intestino grosso, reto ou ânus. Adolescentes a partir dos 14 anos já podem iniciar esse cuidado. Mesmo sem queixas, pessoas a partir dos 45/50 anos devem procurar o coloproctologista para fazer uma avaliação. Geralmente o médico pedirá uma colonoscopia, o melhor exame para visualizar a parte interna do intestino”, disse a coloproctologista Aline Apel.

A mudança nos hábitos alimentares, com a ingestão de mais fibras, e o consumo de mais água podem ajudar a aliviar muitos problemas intestinais. Para manter um envelhecimento ativo é preciso se mexer. Quanto mais sedentário o indivíduo for, maior a possibilidade de sintomas intestinais. Além disso, a atividade física colabora para o fortalecimento do assoalho pélvico, minimizando as chances de incontinência fecal e urinária.

“Alguns medicamentos utilizados pelos idosos podem levar a constipação ou diarreia. Antidepressivos, antipsicóticos e alguns remédios para dor podem “prender” o intestino. Já os remédios para diabetes, por exemplo, podem causa o oposto. Isso deve ser conversado com o médico para avaliar a dose ou a mudança do remédio”, destacou a especialista.

O Grupo de Envelhecimento Ativo conta com o apoio da Divisão de Ensino e Pesquisa, médicos de várias especialidades, além de farmacêuticos, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, nutricionistas e assistentes sociais da Santa Casa de Maceió, se revezam em aulas informativas que abrangem orientações sobre saúde e alimentação, sexualidade, tecnologia, direitos sociais entre outros.

A aula faz parte de um projeto gratuito e voltado a homens e mulheres com mais de 60 anos de idade. Em 2020, o curso presencial seria realizado para 240 alunos inscritos em turmas divididas nas segundas e quintas-feiras, no Centro de Estudos da Santa Casa de Maceió. Mas, em decorrência da pandemia, uma vez por semana, as aulas são disponibilizadas nas plataformas online.

 

 

 

 

 

2 de setembro de 2021